quarta-feira, 12 de junho de 2019

[Review] - Immortal Hulk # 19



Justamente quando achávamos que Immortal Hulk era aterrador... Al Ewing (roteiro)... Joe Bennett (arte)... Ruy José/Belardino Brabo (nanquim)... Paul Mounts (cores)... e Alex Ross (capa) levam o leitor ao extremo do lado visceral que atualmente os filmes de terror escondem. A carnificina proporcionada por Betty Ross (vulgo Harpia Vermelha) é sem sombra de dúvidas um dos melhores momentos da HQ. Enquanto que o nosso verdão... ingênuo... mas de coração puro... acaba tendo seu coração arrancado pela mulher que ele ama... onde ela mostra que a monstruosidade da qual ela se transformou... não terá remorso e nem piedade com aqueles que merecem apenas um único castigo... a morte. Prepare-se para viajar num universo de horror... onde monstros se defrontam e um general impiedoso e inescrupuloso... que simplesmente assiste toda a carnificina com orgulho.

Nota 9 (de 10)


"Eu comeria seu coração no mercado."
- William Shakespeare
Muito Barulho por Nada, Ato IV, Cena 1.










Mercenários que não poupam civis...


... portanto não serão poupados pelos monstros!


O VERDADEIRO gore! E não a falsidade mostrada no filme do Deadpool e em tantos outros filmes de terror que hoje envergonham o gênero.


O monstro assassino de Betty Ross.


A justiça foi feita!


Um general atento a tudo.


Hora de rezar para não ser a próxima vítima (citações à Stan Lee/Jack Kirby e Peter David/Todd McFarlane)


Hulk... a criança interior.


A crueldade de um monstro.


Ela quer o seu coração...


... e ela vai arrancá-lo de você!


A BORBOLETA se libertou... ela quebrou a teia. E ela não será devorada pela aranha!

Al Ewing (roteiro)
Joe Bennett (arte)
Ruy José e Belardino Brabo(nanquim)
Paul Mounts e Rachelle Rosenberg (cores)
Vc's Cory Petit (letras)
Alex Ross (capa)